O governo do Estado, por meio da Secretaria do Meio Ambiente e das Políticas Indígenas (Semapi), inaugurou na manhã desta quinta-feira, 24, em Brasileia, o Centro Integrado de Meio Ambiente do Alto Acre (Cima), com investimento de R$ 1,6 milhão. Facilitar o acesso aos atendimentos da pasta ambiental, principalmente para produtores rurais, ribeirinhos, pescadores e população do interior do estado é o principal objetivo da criação dos Cimas.

Descentralizar e desburocratizar é o que pretende esse projeto que integra, além das instituições do Meio Ambiente do Estado, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Brasileia (Semeia). A Semapi coordena o centro que inclui ainda o Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) e o Instituto de Terras do Acre (Iteracre).A iniciativa, de acordo com o secretário do Meio Ambiente e das Políticas Indígenas, Israel Milani, é a consolidação do trabalho que vem sendo realizado durante toda a gestão. “O governo tem trabalhado para estar mais perto da população, facilitando o acesso aos serviços do estado, principalmente para quem mora no interior e regiões isoladas. A nossa gestão vem realizando várias ações que demonstram essa descentralização, como o Mutirão Ambiental, a Ação Humanitária Itinerante dentro das unidades de conservação, e a Carreta Ambiental”, disse o secretário.No Alto Acre as equipes que estarão trabalhando no Cima foram capacitadas a atender e buscar solucionar qualquer situação relacionada aos serviços oferecidos, entre eles: apoio nas inscrições do Cadastro Ambiental Rural (CAR), adesão ao Programa de Regularização Ambiental (PRA), assinatura de termos de compromisso ambiental, licenciamentos ambientais, regularização fundiária e vários outros.“Este é o primeiro centro integrado de meio ambiente entregue à população, mas nos próximos dias serão inauguradas mais duas unidades como esta, nos municípios de Feijó e Cruzeiro do Sul, promovendo ainda mais acesso à população. É a gestão ambiental presente em todas as regionais”, destacou o secretário Israel Milani.

A reforma e construção deste espaço do governo se deu por meio da Semapi, em parceria com a prefeitura de Brasileia, com o Programa de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (PDSA) do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e com o Programa de Saneamento Ambiental e Inclusão Socioeconômica do Acre (Proser) do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird).

O local foi totalmente revitalizado e teve uma parte construída para atender às equipes que atuam nas missões de Comando e Controle (combate a ilícitos ambientais) e conta com banheiros, alojamentos, escritórios, copa e todos os cômodos seguindo os critérios de acessibilidade para portador de deficiência.

 

<< Matéria anteriorVara Cível de Feijó disciplina acesso e permanência de crianças e adolescentes em bailes carnavalescos
Próxima matéria>>Grande empresário acreano elogia atuação da deputada Vanda Milani em favor do agronegócio no Acre