Na entrevista concedida ao jornalista a Claudio Dantas do site O ANTAGONISTA , o general da reserva Augusto Heleno, primeiro comandante militar da ONU no Haiti, disse que a intervenção no Rio enfrenta um poderoso lobby em defesa dos criminosos.

“Eu sou totalmente a favor da política de direitos humanos. É altamente louvável, só que os contemplados tem que ser os humanos direitos. Não pode contemplar os humanos que não são direitos. Isso aí é uma deturpação ideológica de fazer com que o bandido apareça como pobrezinho que foi vitimado pela sociedade. Isso está causando uma ruptura social em que o bandido vira o bacana.”

O general explicou que enfrentou uma situação bem mais simples no Haiti. “Não havia crime organizado, não tínhamos penitenciárias comandando ações, existiam facções, mas não com a capacidade das nossas.”

<< Matéria anteriorSTJ marca julgamento de habeas corpus de Lula para quinta-feira
Próxima matéria>>AMPAC apoia promotora do Ministério Público que foi condenada por juiz de Feijó