Homem é preso suspeito de ficar com cartões e benefícios previdenciários de indígenas em Feijó

Um homem foi preso suspeito de reter cartões e benefícios previdenciários de indígenas das etnias Kulina, das aldeias da região do Alto Envira, no interior do Acre. A ação fez parte da Operação “Totomide”, deflagrada nesta segunda-feira (28) pela Polícia Federal na cidade de Feijó.

Ao todo foram cumpridos três mandados judiciais, sendo dois de busca e apreensão e um de prisão preventiva domiciliar, expedidos pela Justiça Federal, subseção judiciária de Cruzeiro do Sul.

Conforme a Polícia Federal, os investigados devem responder pelos crimes de apropriação indébita, furto mediante fraude e pelo crime previsto no Estatuto do Idoso, que trata sobre a retenção de cartões de idosos para assegurar pagamento de dívida.

A investigação iniciou em novembro de 2020 e conta com 14 policiais federais. Ainda segundo a PF, o objetivo é reprimir esses crimes que se repetem há anos em razão da vulnerabilidade dos indígenas da etnia Kulina.Ao todo, foram cumpridos três mandados judiciais nesta segunda-feira (28) — Foto: Arquivo/PF

Essa não é a primeira vez que a PF tem como alvo pessoas que tentam se beneficiar de indígenas no interior do Acre com a retenção de cartões. Em março desse ano, a polícia deflagrou a Operação “Huni Kuin” e também prendeu um homem na época.

O nome da operação significa “sanguessuga” no dialeto Kulina, falado pelo povo indígena Madijá, fazendo referência aos comerciantes, denominados de patrões pelos indígenas, que se apropriam dos cartões e benefícios previdenciários destes povos.

A PF destacou que todos os cuidados foram tomados para segurança dos envolvidos por conta da pandemia da Covid-19.