Vereadora é presa em operação Totomide da policia Federal em Feijó

Com o objetivo de reprimir práticas delituosas contra indígenas da etnia KULINA, valendo-se de sua vulnerabilidade. A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (28/6) a Operação TOTOMIDE, na cidade de Feijó/AC, e prendeu em flagrante, além da Vereadora Aurelina Portela do (PP), o esposo, a filha e um idoso, conhecido pela alcunha de Cabeção.

Os investigados responderão pelos crimes de apropriação indébita, furto mediante fraude e pelo art. 104 do Estatuto do Idoso, que prevê ser crime a retenção de cartões de idosos para assegurar pagamento de dívida.De acordo com as informações colhidas pelo o site de notícias, Feijó24horas, junto ao Departamento de Polícia Federal-Subseção Judiciária de Cruzeiro do Sul/AC., o idoso está em prisão domiciliar na cidade de Feijó e os demais acusados de práticas delituosas, cumprem prisão temporária na unidade penitenciária de Cruzeiro do Sul, devendo em audiência de custódia, a autoridade Judiciária transformá-la em prisão preventiva, ou pagamentos de fianças.

O nome da operação significa sanguessuga no dialeto KULINA, falado pelo povo indígena Madijá, em referência aos comerciantes, denominados patrões pelos indígenas, que se apropriam dos cartões e benefícios previdenciários destes povos do Alto Envira.

Em consideração a pandemia causada pela COVID-19, todas as cautelas foram tomadas, para a segurança Subseção Judiciária de Cruzeiro do Sul/AC.

A reportagem do site de notícias Feijó24horas, tentou várias vezes contato pelo telefone 992929867, da vereadora, mais não obteve sucesso. Fica o espaço reservado para as devidas informações, que sejam consideradas para família injustamente.