Surto de raiva em bovinos atinge três propriedades em Feijó

Após 6 anos, o município de Feijó voltou a registrar casos de raiva em bovinos, doença que ataca o sistema nervoso e causa a morte dos animais. A zoonose, que tem como principal transmissor o morcego hematófago, foi identificada no início de abril em três propriedades localizadas em áreas da BR 364, projeto Berlim x Recreio e no seringal santa Rosa, as margens do rio Envira.

Em função do risco de propagação da doença, que causa prejuízos à venda da carne e pode ser transmitida para humanos, o Instituto de Defesa Agropecuária Florestal (IDAF) está elaborando um plano de ação para conter os focos existente nas propriedades. De acordo com o Técnico Valcenir, Além da campanha de vacinação, outra forma de prevenir é capturando os morcegos. A partir daí, é passada uma pasta no animal que deve retornar ao ninho, onde terá contato com outros e, no processo, deve eliminar de 10 a 15 morcegos da mesma espécie.Propriedades num raio de 5 quilômetros serão avaliadas para incidência de novos casos e, dependendo dos indícios, também podem passar por imunização. Todo o rebanho bovino nas localidades onde os animais foram contaminados, serão vacinados contra a doença. Existe suspeitas, que outras regiões do vale do Envira estejam com incidências de focos da doença, transmitida através do morcego hematófago.  Os técnicos do IDAF, explicam que encontrar os abrigos de morcegos hematófagos é tão importante para a contenção da doença quanto a vacinação do gado. É necessário que o produtor rural informe à Iagro possíveis abrigos para que seja feita a captura desses morcegos. “A orientação básica, independente daquela região ter focos de raiva, para o produtor é de informar que sempre que vier uma suspeita nervosa ou tiver presença de possíveis abrigos na propriedade ou na região.

A raiva foi descoberta após a coleta do material do animal com suspeita. A amostra foi enviada ao Instituto Pasteur do governo do estado de São Paulo, dedicada à pesquisa científica animais sobre a raiva.

De acordo com os dados informados pelo Instituto de Defesa Agropecuária Florestal, o município de Feijó, estima-se um rebanho de 150 mil animais devidamente legalizados, mais as evidências apontam números que superam os dados fornecidos pelo orgão fiscalizador.